VAGAS LIMITADAS!

Perguntas respondidas pelo autor do livro Pronto Pra Guerra

Leandro Paiva.

Envie sua pergunta, constando onde você reside e nome completo, para o e-mail:

blog@prontopraguerra.com.br

Atenção: Nem todas as perguntas serão respondidas e/ou disponibilizadas online no site. A prioridade será dada para perguntas similares, com dúvidas que satisfaçam à maioria dos leitores. Os e-mails dos remetentes não serão divulgados para resguardar sua privacidade.

Perguntas e Respostas

1 – Devo fazer musculação no mesmo dia que treinar a parte de luta? A. C. J. (Porto Velho – Rondônia)


Leandro Paiva – Sim, isso pode ser feito. Todas as orientações devem ser organizadas racionalmente, no mesmo dia (observando o período adequado de descanso entre os treinamentos), na mesma semana, no mesmo mês e, nos meses de treino até a competição-alvo. O que não pode acontecer é realizar sempre os mesmos estímulos, de mesma intensidade, sem variação entre eles. Ex: Se o treino de luta for intenso demais, a musculação deve ser um pouco mais leve e vice-versa (com exceção, claro, nos microciclos ou semanas planejadas para maior intensidade – microciclos de choque).

2 – Vou lutar em um evento sancionado de MMA, moro na Califórnia. Será que vou ser pego no exame antidoping? Usei esteróides até 8 semanas atrás. R. G (Califórnia – Estados Unidos)

Leandro Paiva – É possível, mas não tem como dizer sim ou não. Vai depender do tipo de esteróide, do tempo de uso, sua massa corporal, etc. No livro PRONTO PRA GUERRA® são apresentadas todas as possibilidades, dependendo da droga e do tempo de uso antes da competição-alvo. Lembrando que o intuito não foi estimular o consumo e, sim, democratizar informações baseadas em publicações científicas acerca desse tema. O risco de morte é grande, desaconselho fortemente o uso. Contudo, a decisão sempre é pessoal e individual.

3 – Sou amazonense e sinto muita dificuldade para lutar logo quando chego no Rio de Janeiro. Em Manaus, o fuso horário é de 1 hora a menos que o horário de Brasília. É por causa do fuso? R. F (Manaus – Anazonas)

Leandro Paiva – Muito provavelmente, não. Os efeitos negativos do fuso horário, também denominados de Jet Lag se dão muito mais no sentido Ocidente-Oriente e não no sentido Norte-Sul. Além disso, você deveria atravessar de 3-4 fusos, para sentir os efeitos mais pronunciados. No seu caso, recomendo de vez em quando andar pela aeronave e a realização de alguns exercícios de alongamento simples. Dê atenção especial às articulações do cotovelo e joelho.

4 – Na academia, sempre me dou bem nos treinos. O problema é que quando chego nos campeonatos, fico muito nervoso, o gás acaba rápido e perco. Como posso fazer para melhorar isso? C.A.S (Campinas – São Paulo)

Leandro Paiva – Você relatou um quadro, denominado pela Psicologia do Esporte, de ansiedade pré-competitiva. Em alguns atletas, quando a ansiedade não é excessiva, pode até ajudar em vez de atrapalhar na hora da luta. Entretanto, quando o lutador fica nervoso demais, pálido, etc. essa ansiedade pode atrapalhar e muito. Recomendo treinamento com um psicólogo ou o próprio treinador, para simular, previamente, todas as possibilidades, para que você possa familiarizar-se com a situação que vai se deparar no dia da competição. No livro PRONTO PRA GUERRA® são apresentadas metodologias bem práticas, adaptáveis de acordo com cada caso, para resolver (ou amenizar bastante) esse problema.

5 – Tenho 45 anos e luto Jiu-Jítsu há 15. Desejo entrar nos campeonatos para lutar na categoria, com outros de minha idade. Posso realizar a preparação física normalmente, como um atleta da categoria adulto? P.C (Copacabana – Rio de Janeiro)

Leandro Paiva – Não acho necessário nem salutar. Tirando a possibilidade de os atletas de sua categoria utilizarem esteróides e pondo a própria vida em risco, a maioria não deve conseguir, efetivamente, trabalhar os componentes físicos necessários ao desempenho no Jiu-Jítsu, como os atletas da categoria adulto. A preparação física pode e deve ser feita, mas nesse estágio de sua vida, a individualidade é a chave para o sucesso. A recuperação também. Atletas com mais idade podem ter necessidade de estender em até 2 vezes mais o período de recuperação após os treinos (técnico-táticos e de preparação física).

6 – Na minha academia, todos os dias meu professor manda realizarmos treinamento (os rolas) de Jiu-Jítsu, muito intensos. A cada dia que passa estou mais cansado. É certo isso? D.A.S (Campos – Rio de Janeiro)

Leandro Paiva – Pode ser que sim ou não. Se ele não varia nunca, entre os dias, nem entre as semanas ou meses, é o caminho para o fim. O lutador pode sofrer sintomas de supertreinamento de curto prazo (“Overreaching”) ou de longo prazo (“Overtraining”). Nesse caso, geralmente o atleta apresenta saturação psicológica podendo até abandonar definitivamente a modalidade de combate (“Burnout”). Converse com ele com calma e tente convencê-lo da necessidade de variar racionalmente os estímulos nos treinamentos ao longo da semana.

7 – Sou fanático por Jiu-Jítsu e MMA. Treino todos os dias Jiu, 3x por semana Boxe e 3x por semana MMA. Meu sonho é fazer sucesso como lutador de MMA. Meu pai é contra e vive me dizendo que é perda de tempo. O que você acha? R.C.O (Fortaleza – Ceará)

Leandro Paiva – Minha resposta, aqui, terá caráter muito pessoal. Contudo, vou responder. Acho que, em primeiro lugar, devem ser consideradas as três perguntas básicas para que, realisticamente, você consiga dimensionar seu sonho. São elas: onde estou? Quem eu sou? Para onde eu vou? Após tentar responder isso, pode, sim, atingir o sucesso, se tiver capacidade e aproveitar as oportunidades. Entretanto, o que é o sucesso? Não há uma definição universal para isso, é sempre pessoal e subjetivo. Para uns é dinheiro, para outros poder, fama, etc. Para mim, baseado na concepção do psicólogo e sociólogo David Niven, atingir o sucesso é atingir aquilo que se deseja. Um exemplo simples: meu amigo Ronaldo “Jacaré”. Não tinha condições de se equiparar a qualquer estrutura de uma academia no Rio de Janeiro ou mesmo fora do Brasil. Além de determinação, perseverança e motivação, achava que eram bem realísticas suas chances de se tornar vitorioso no Jiu-Jítsu quando começou a perceber que estava evoluindo no dia-a-dia na academia e ganhando os campeonatos em que participava. Se o sucesso, no caso dele, for o que considero sucesso, ele atingiu inúmeras vezes. Se for fama, etc. também conseguiu chegar lá. Isso, em situações extremas de desvantagem: não tinha condições de pagar academia, comprar quimono, andar de ônibus, etc. Mesmo assim, perseverou e venceu. Conselho final: siga seus sonhos, mas esteja ciente dos riscos...

8 – Treinando na academia, senti uma dor muito forte no joelho, após tentar raspar um cara e ele cair por cima da minha perna. Como devo fazer para prevenir de lesões? G.S (Boston – Estados Unidos)

Leandro Paiva – A primeira coisa que deve fazer é utilizar gelo no local de 3-4 x ao dia, por 30 minutos em cada aplicação. Não use o gelo em contato direto com a pele. Utilize sacos plásticos ou bolsa própria para isso. Se já fez uso de antiinflamatório previamente, por causa de lesão como essa, utilize-o. Se não, procure atendimento médico para que seja lhe informado qual antiinflamatório e/ou analgésico é específico para seu caso. Repouso por pelo menos 3-7 dias é recomendável. Se, nesse prazo, não melhorar, será necessário retornar ao Médico do Esporte ou um Ortopedista, para reavaliar seu caso e aventar a possibilidade de cirurgia. No meu ponto de vista, isso deve acontecer em último caso, esgotando-se todas as possibilidades. No Brasil, muita gente faz “empurroterapia” no atleta para logo fazer cirurgia, pois, lógico, nesse segmento, dá mais dinheiro realizar procedimentos cirúrgicos do que fisioterapia ou atendimento ambulatorial. A prevenção passa por diversos aspectos (Todos abordados no livro PRONTO PRA GUERRA®): pedagógicos (planejamento e divisão racional do treinamento, exercícios de reabilitação, etc.), psicológico-emocionais (exercícios de relaxamento físico e mental, “postura emocional” do atleta diante de problemas, etc.) e biológicos (alimentação e suplementação, meios de recuperação, etc.).

9 – Já lutei com o mesmo adversário 3 vezes e perdi. Não consigo entender o por que. Como faço para evitar perder pra ele novamente? P.A.S (Tókio – Japão)

Leandro Paiva – Se o seu nível técnico e físico estiver pareado com o dele, acho que está faltando análise tática do seu adversário. Veja os vídeos das lutas dele, contra você e outros adversários. Identifique os pontos fortes, pontos fracos, fraquezas e oportunidades (SWOT). Pode, com isso, identificar “cacoetes”, ou melhor, repetição de ações motoras dele, para basear-se e montar sua estratégia (e torná-la efetiva). Além disso, como você perdeu em todas as vezes que lutaram, é necessário que faça essa mesma análise com você. Para isso, sugiro que peça que outra pessoa o faça: seu técnico, algum companheiro de treino ou um profissional pago para isso. Um professor de Educação Física com conhecimento de sua modalidade pode executar esse serviço. Você poderá identificar o que errou e o que fazer para não errar mais. Além disso, identificar o que tem de melhorar na parte física, técnica ou mesmo psicológica. Feito isso, vai direcionar sua estratégia para Gravidade, Urgência e Tendência (GUT), realizando planejamento específico para o adversário em questão e treinamento prático na academia para simular sua estratégia. A probabilidade de ele te surpreender novamente será bem menor.

Quer aprender mais?? Clique Aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...