VAGAS LIMITADAS!

MMA provoca reflexão sobre a violência na sociedade atual

Submissão nos ringues leva o público à loucura. Violência fascina humanidade há séculos, de várias formas.



Está na TV, no jornal, na internet, impossível permanecer alheio. O MMA, ou artes marciais mistas, virou febre. Não que seja novidade ver homens se esmurrando em cima de um ringue, gaiola, octógono ou seja lá qual for o palco. Boxe, luta livre, cada um a seu tempo, já arrastaram multidões. Mas nunca o apelo foi tão massivo nem o contato tão explícito.

Daí, vem a dúvida. Seria o MMA violento demais? Estaria estimulando essa violência entre seus espectadores? Não cabe ao CORREIO decidir essa questão. Nem na nossa redação existe consenso. Mas o debate está lançado e, seja qual for sua opinião, a única certeza é que a polêmica não se encerra nestas páginas.

Canais exclusivos, vendidos em pacotes diferenciados, garantem faturamento e audiência. Para os não iniciados, a imagem de um combate desse tipo choca à primeira vista. Mas, tendo por base o comportamento humano e buscando referências na história da humanidade, não há nada que justifique tanto alarde.

Para o antropólogo Roberto Albergaria, todo esse sucesso não é novidade. Ele lembra da época dos gladiadores romanos e diz que a espécie humana é a mais violenta que existe.

“Nós destruímos todas as outras espécies de hominídeos (criaturas semelhantes ao homem) e os mamíferos de grande porte. Os que ficaram estão no zoológico ou são criados para serem comidos”, diz Albergaria.

Ele explica que a ritualização da violência remonta às tribos indígenas e que “toda sociedade tem lutas corporais”. Albergaria argumenta que a ideia de um mundo sem violência surgiu há menos de 300 anos, com a chegada da burguesia ao poder. “Antes do Estado monopolizar a violência através das polícias, as pessoas resolviam tudo na porrada”, enfatiza.

Deturpação

Para o professor de aikidô Renato Alcântara, a superpopularização do MMA gera uma mudança da imagem do produto arte marcial junto ao público, embora dentro de um conceito deturpado. Como consequência, ele prevê novas releituras de artes como na última década, a exemplo do capo-jitsu (capoeira e jiu-jitsu), yawara, novos estilos de aikidô, entre outros.

Para Renato, no entanto, “o público real de aulas de MMA é composto de praticantes sérios que desejam explorar o MMA. O público flutuante será muito grande, formado por pessoas que querem se afirmar ‘duronas’, mas que não vão aguentar fazer três aulas”.

Apesar dessa seleção natural, o professor de Educação Física da Uneb de Alagoinhas e doutorando em Educação Neuber Costa, ele próprio praticante de krav magá (defesa pessoal do exército israelense) e capoeira, alerta para uma perda dos aspectos filosóficos das artes marciais.

O educador revela apreensão, não quanto ao comportamento dos lutadores, pois “o verdadeiro artista marcial aprende a dominar seus impulsos”, mas no que se refere à audiência de eventos como o UFC, que, adrenalizada, tende a reproduzir a agressividade fora dos ringues e octógonos.

Esporte sim. Mas é show também

Entre os profissionais do MMA, a discussão também rende. Árbitro do UFC, o brasileiro Mário Yamasaki lembra o processo do MMA para virar esporte. “O vale-tudo, que foi por onde a coisa começou, nos anos 60, com a família Gracie, era um pouco brutal, porque não tinha muitas regras. Podia cabeçada e cotovelada”, conta. A modalidade, então, se lapidou nos Estados Unidos e tornou-se o MMA de hoje. (...)

Por Alan Rodrigues e Ivan Marques

Fonte: http://www.correio24horas.com.br/

Um comentário:

  1. MMA: Esporte ou barbárie? RJ, 07/01/2013
    Antônio Holanda
    Professor de Educação Física, Psicopedagogo, Engenheiro e Mestrando em Educação.

    O problema é que tem muita gente falando sobre um assunto que não é de sua alçada. Quem define o que é esporte? Quem define o que é violento? Quem compara lutadores de MMA, com gladiadores do Coliseu? A verdade é o seguinte, lutadores de MMA, são atletas pagos (Alguns muito bem pagos...), bem diferente dos escravos do Coliseu. Que realizam lutas de MMA, após rigorosos treinamentos atléticos e atitudinais, espontâneamente, e não obrigados, como era o caso dos gladiadores. A Luta Esportiva, está relacionada ao desenvolvimento máximo de um atleta, para uma situação real de luta! Para isso foram desenvolvidas lutas milenares e culturais, pelos homens de diversas civilizações: Jiu Jitsu, Muay Thay, Judo, Karate, Boxe, Luta Livre, Savate; e muitas outras. Para os amantes da Luta Esportiva, essas lutas não são violentas, e muito pelo contrário, auxiliam na formação moral e física de seus praticantes. É fato, que grandes faixas pretas das artes marciais, são grandes exemplos de cidadania e ética em seus contextos sociais. Campeonatos destas artes marciais, estão longe de serem palco de barbárie. Na verdade são locais de superação humana, de respeito as regras, de estética agonista, de pesquisa nas áreas de treinamento, fisiologia, condicionamento físico e gerência e administração esportiva! Um dos grandes clamores da modernidade, é do respeito a diversidade e ao multiculturalismo. "Não se pode exigir de uma borboleta, que compreenda o comportamento do tigre. Mas ambos podem viver em harmonia, se buscarem o respeito mútuo...". O MMA, é o esporte que atingiu o último nível de excelência no agonismo corporal: Por se valer da luta de chão, da luta em pé e de suas transições. Atingiu o mais elevado patamar do Confronto Autorizado! Falo de Confronto Autorizado, pois ao contrário do que afirmam os "menenstréis do apocalipse", MMA não é violência e pancadaria! É luta esportiva no seu mais avançado grau de perfeição, pois conforme disse anteriormente, exige de seus praticantes, a totalidade de preparação para um confronto real! E porque luta esportiva e não barbárie? Porque possui regras internacionais, são realizados com equipamentos de proteção atlética, assistência médica de plantão, possuem rigorosas leis em suas práticas mundiais, os praticantes são atletas de altíssimos níveis, são profissionais remunerados, praticam o esporte por sua livre e espontânea vontade e há um código de moral e conduta, muito bem formulado (Comissão Atlética de Nevada), que obrigam o comportamento ético e cidadão do esportista de MMA. O MMA atingiu seu último estágio de desenvolvimento? A resposta é não! Todas as Lutas Esportivas, com o passar do tempo, sofreram uma grande evolução em sua regras, fundamentos e filosofia! O MMA, passa por este mesmo processo. As primeiras lutas eram chamadas de vale tudo, e eram quase isso mesmo... Hoje me dia, a realidade é bastante diferente! Ninguém é obrigado a gostar de MMA, mas deixem que os fãs e adeptos usufruam de um esporte, que é um confronto autorizado, que possui regras internacionais e mais cresce no mundo! Definição de Violência: Ação de causar danos físicos ou psicológicos a uma pessoa, sem sua autorização! No Confronto Autorizado (Lutas Esportivas), ambas as partes estão cientes do que se pode e não pode fazer (Regras!). Genoíno toma posse! Violência é o que nosso Congresso faz com os nossos eleitores, e ninguém reclama...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...