VAGAS LIMITADAS!

Frente Parlamentar em Defesa da Capoeira?




Em função de os partidos políticos estarem mais preocupados em conquistar espaços nas várias esferas de governo, o Legislativo tem observado um crescimento no número de frentes parlamentares com temas pertinentes e/ou exóticos.

Segundo o Consultor Político Carlos Manhanelli: "Um deputado busca participar de uma frente parlamentar porque imagina que isso pode ajudar a projetar sua imagem".

Embora supostamente criadas para fortalecer causas diversas, com engajada participação de (pequena ou grande) parte da população, da sociedade civil e de diferentes parlamentares, o que existe, de fato, são intermináveis frentes cujos progressos efetivos pouco se conhece.

Já o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Francisco Fonseca, opina que as frentes parlamentares que se dedicam a temas relevantes, como a reforma política, devem ser encaradas como uma vitória do Legislativo que "traz a sociedade para o debate e isso é exitoso".

Na Câmara dos Deputados atuam 119 frentes e existe a Frente Parlamentar em Defesa da Capoeira, liderada pelo deputado Márcio Marinho (PRB-BA).

Segundo informações publicadas no blog oficial da FRENTE PARLAMENTAR DA CAPOEIRA, "não foi adotada nenhuma linha de pensamento e não busca defender nenhuma das várias formas de fazer Capoeira, seja ela Angola ou Regional, seja como esporte, seja como patrimônio histórico brasileiro, seja como cultura".

Segundo a proposta do parlamentar, a intenção é criar representatividade da Capoeira dentro do Congresso Nacional, buscando reconhecimento de acordo com o que for apresentado e reivindicado por todos os capoeiristas.

No lançamento da frente, o deputado debateu sobre alguns temas relacionados a Capoeira com mestres e outros capoeiristas, dentre eles, os principais objetivos da frente e as principais idéias e reivindicações da classe.

Segundo Marinho, "a Frente Parlamentar da Capoeira foi criada com a intenção de valorizar a Capoeira e seus integrantes, no sentido de garantir a esta classe o direito à aposentadoria, e ao reconhecimento da profissão, de dar suporte às associações de capoeira que desenvolvem trabalhos sociais, além de receber propostas, projetos e todos os tipos de reivindicações dos capoeiristas, como forma de representá-los aqui, no Congresso Nacional."

A maioria dos capoeiristas presentes ao lançamento destacou que é necessário se fazer um estudo mais aprofundado da Capoeira e realizar grandes debates, pois eles acreditam na Capoeira como manisfestação cultural e não como esporte.

Bom, em nossa modesta opinião, não vai dar em nada.

De repente, o organizador consegue faturar mais eleitores futuramente, afinal, a Bahia é o Estado considerado de origem da Capoeira e tem o maior número de praticantes no Brasil.


Leandro Paiva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...