VAGAS LIMITADAS!

Artes marciais causam 12% das lesões nos quadris?



Segundo o médico Marcelo G. Cavalheiro, Especialista em Medicina Esportiva e Coordenador da divisão de Artroscopia do Quadril na Escola Paulista de Medicina (Usp):

“As artes marciais requerem muitos movimentos rotacionais que dependem da estabilidade articular. Mais do que outras atividades físicas, exigem muita carga e sustentação, amplitude de movimento e elasticidade da articulação para realizar os golpes. São esportes com muita ‘explosão’, ou seja, muita aceleração e desaceleração na execução dos golpes.”

Lesões

As mesmas lesões podem acometer atletas profissionais e praticantes recreativos, mas por motivos diferentes. “Estudos mostram a ocorrência de até 12% de lesões em praticantes de artes marciais.

As lesões nos atletas recreativos, geralmente, ocorrem em função de preparo físico insuficiente e por erro de técnicas.

Nestes casos, a prevenção adequada às lesões é mais falha, deixando o praticante mais sujeito a uma intercorrência. Nos atletas profissionais, há maior exigência pela extensa carga de treinos. Isso pode favorecer a ocorrência de lesões, que são mais vinculadas à hipersolicitação, fadiga, realização de movimentos de alta complexidade e dificuldade”, esclarece Marcelo.

Segundo o especialista, “as principais lesões são os estiramentos e as inflamações músculo-tendíneas (músculos e dos tendões). Com menor incidência, mas com importância pelas suas consequências, a síndrome do impacto femoroacetabular pode ocorrer quando não há um encaixe perfeito entre a cabeça do fêmur e a cavidade da bacia, o que pode resultar em lesões do labrum e da cartilagem e, a longo prazo, em artrose”.

Tratamentos

Apenas um médico poderá diagnosticar a lesão e indicar o tratamento adequado. “Se for uma lesão músculo-tendínea, geralmente, não há necessidade de cirurgia.

O conceito é somar medidas terapêuticas para auxiliar na cicatrização da estrutura lesada e para eliminar a inflamação local, evitando posições ou atividades que possam ‘alimentar’ a inflamação.

Entre essas medidas, estão a imobilização ou o ‘isolamento’ da estrutura lesada, fisioterapia, meios físicos para analgesia, termoterapia, bandagens, medicações, manipulações, infiltrações locais, acupuntura, reabilitação e cinesioterapia (terapia do movimento).

Em apenas alguns casos, como na lesão completa do tendão, o tratamento é cirúrgico”, detalha o ortopedista.

“Os objetivos do tratamento são tirar a dor, restaurar a função do quadril em sua plenitude, permitir que o atleta volte com total desempenho e desenvolva o seu potencial durante as competições, além de dar um prognóstico melhor para a articulação, evitando que o quadril progrida para uma degeneração, ou seja, para uma artrose”, revela.

Recuperação

Tanto no tratamento cirúrgico, como no não cirúrgico, há a necessidade de “poupar” a região e, portanto, a prática do esporte é interrompida momentaneamente. “Nessa fase, exercícios e atividades físicas são executados para favorecer a reabilitação e para manter o condicionamento físico. No caso de realização da artroscopia de quadril, a alta hospitalar é no mesmo dia. O pós-operatório depende do tratamento e dos procedimentos que foram feitos durante a cirurgia”, explica.

“Infelizmente, a reincidência de lesões músculo-tendíneas em atletas é comum. Isso se deve ao retorno precipitado ao esporte, ainda sem a cicatrização completa da lesão. No caso de tratamento do impacto femoroacetabular, a correção tende a ser definitiva após a cirurgia”, comenta.


Prevenção

A prevenção das lesões é feita com treinamentos com orientação, técnica e equipamentos adequados; preparação física paralela, com fortalecimento, alongamento, equilíbrio muscular, propriocepção, postura, descanso adequado e respeito ao tempo da adaptação do corpo ao progresso dos treinos; e condições ideais de treinamento, como local, vestimenta, alimentação e hidratação.

“A prevenção minimiza a incidência de lesões, mas não impede de ocorrer. Uma vez diagnosticada, o indicado é iniciar o tratamento o quanto antes para não permitir um agravamento do quadro e para possibilitar uma resolução mais rápida”, finaliza o médico.


Fonte: http://www.inteligemcia.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...